21 de ago de 2007

.:. Nem tão Amélia e nem tão Bebel .:.

Cansei. A Amélia está em greve. Essa história de que os homens casam com as santinhas é o maior papo furado. E nem saem com as loiras e namoram as morenas. Nada disso. Os homens querem a mulher que lhes dê insegurança seja qual for a cor do seu cabelo. Quase um filme de Indiana Jones em versão mexicana com muito drama e estardalhaço. Eles não querem mais chegar a casa e ter o jantar pronto e uma mulher à sua espera. De repente querem que ninguém esteja esperando por eles!

Isso não quer dizer necessariamente que todos os homens não prestem. Acredito que eles sofram com isso. Um conflito interno entre razão e tesão, adrenalina e sabedoria. Suas mães lhe ensinaram que é com a Amélia que se casa, mas é a Bebel da novela das oito e sua “catiguria” de mulher avassaladora que mexem com suas cabeças . É isso que eles querem. Um amor avassalador, imprevisível e inconstante que lhes conceda o mérito da dúvida e da surpresa.

Fico preocupada quando começo a ouvir os mesmos discursos em um espaço curto de tempo. Essa história de que mulher não gosta de homem, gosta de dinheiro é um deles. Eles criticam a mulher mercenária, mas, ficam desgostosos quando não reparam no seu possante, afinal, foi para isso que compraram! Muitas vezes vivemos numa fantasia romântica de jantar à luz de velas e incensos. Eles acham isso um saco! Eles querem, na verdade, nos levar a um restaurante japonês caro e mostrar que sabem usar os pauzinhos com propriedade – duplo sentido. Eles adoram fazer graça pra nós. Adoram “cozinhar” a boa moça, mas, é com as mulheres que bagunçam suas vidas que eles ficam. Gostam de ser atordoados.

Finalmente e “ufa”, não que eu acredite que a boa moça deva mudar suas atitudes, mas, percebi que o cerco está se fechando e ficar para titia pode ser um dos finais. Talvez a solução seja achar o meio termo. Manter seus bons valores escondidos numa lingerie de tigresa. Não ser tão Amélia e nem tão Bebel. Mas nunca deixar de ser avassaladora.

12 comentários:

Anônimo disse...

eita!!!!chegou de sola neessse!!!!!!!

Lúcia Alonso disse...

.:. Anônimo,
Indignada eu, né?!hahahahaa
Escrever tem dessas coisas. Como história de pescador onde o peixe é exageradamente maior quando contam. Assim é esse Blog... uma firula daqui..uma firula dalí. Porque não dá pra brincar de confessionário, né? Mas esse é o charme...
Espero que tenha gostado!
Bjs e volte sempre...

Anônimo disse...

é aquela velha estoria, mas q só se esta se vendo agora..."bonzinho só se fode", mas nesse caso n literalmnet, pq aqui boazinha demais NAO fode.

L.B.

Anônimo disse...

Se sentir inseguro no relacionamento, talvez não seja lá tão bom. Mas nos faz querer sempre nos superar, pois ficamos com o medo constante de não sermos suficientemente "bons" para ela... sorte de vcs!!! rsrsrs...
Ah, meio termo é sempre melhor né?! Nem tão Bebel e nem tão Amélia...
Bjs garotinha!
Guga

Senhor disse...

Oi Lucia,
seu comentário a respeito da confusão da cabeça masculina é quase perfeito.
concordo quando diz que as mães sugerem o casamento com as Amélias. Concordo também que as Bebeis mexem com a cabeça e o corpo dos homens. Mas os homens de hoje sabem bem o que querem, e é extamente esse equilíbrio entre uma e outra conforme você disse. Só pecou em um detalhe. Os homens gostam de jantar a luz de velas e com incenso sim, principalmente com a companhia certa.
abraço

~ lari disse...

amei, lúcia!
e concordo em gênero, número e grau, eqülíbrio é a palavra chave!

escrevi alguma coisa sobre isso também dias atrás

beijos

Anônimo disse...

Gostei muito do seu estilo. Você tem um texto fluente e agradável.
Parabéns! Os conteúdos, como em todo bom texto, são polêmicos, e qualquer comentário aqui seria reducionista. Pessoalmente, seria mais fácil abordá-los de forma aprofundada e justa.
Beijos,
Carlos (metrô)

Caco Baresi disse...

Lucia Alonso, você escreve de um jeito tão gostoso que "te li", torcendo para que o texto não chegasse ao fim... Parabéns!!

Barbie disse...

Lu

adorei o texto! demais!

João Barros disse...

A sua auto-estima me surpreendeu. Não farei mais críticas duras. E continuarei te lendo sim. Há modos e modos de se fazer uma crítica. E fui infeliz ao fazê-la da maneira que fiz.
É isso. E de vez em quando estarei por aqui.

Anônimo disse...

Hummm...Natureza, Sociedade e Cultura dos Povos...o Rio eh decadente em costumes assim como as metropoles capitalistas...

Mind Admirer

Anônimo disse...

Lúcia,
Achei o seu texto muito legal e bem escrito, só não concordo numa coisa, tenho vários amigos homens e mulheres solteira(o)s ou separada(o)s, procurando um par, mas as mulheres estão muito afoitas, pegam pesado às vezes, fico observando e isso (acho eu) assusta os homens que gostam de conquistar, aí caímos no seu texto, mesmo quando as mulheres se comportam como Amélias elas geralmente são controladoras, mas boaziiiinha, que o cara no início não percebe, quando ele vê que está sem amigos, amigas ou seja pessoas diferentes para bater um papo caem fora.
E o mesmo se aplica as mulheres bebel que também são controladoras.
Enfim o que falta é companheirismo e confiança, indiferente do comportamento sexual, ou pseudo-infantil..
bjs.
bom fim de semana.

Postar um comentário