31 de out de 2011

Distância


Namorar a distância é uma delícia. Ou não. 

Todo dia bate uma saudade e cada reencontro é garantia de que o abraço será daqueles, looongos e aconchegantes. E não há tempo para desacordos, lamentações a não ser de não estarem sempre juntinhos. Ah, como é delicioso alimentar esse amor, contar os dias, riscar o calendário e fazer sempre planos a médio prazo.

Porém, vamos aos fatos:

Você sempre está sozinho. E o companheiro passa a ser aquela pessoa que existe, mas que ninguém nunca vê. 

Seu lazer passa a ser agendado e condicionado ao bom humor de São Pedro. Dependendo de como está o dia, resolverão o que fazer.

Sua conta de telefone é gigantesca ou você certamente adquiriu uma promoção "fale menos" de qualquer operadora. Nenhum namoro resiste ao empobrecimento. Casamento talvez sim, namoro não.

Aí começam as discussões de quem cede mais, a contabilizar quantas vezes cada um se deslocou e pior, a comparar a importância dos eventos inadiáveis. E isso é realmente complicado e subjetivo.

Namorar começa a custar caro, a proporcionar pouco lazer e a atrapalhar o seu trabalho. Pronto, meio caminho para dar errado.

Obviamente nada disso é uma verdade absoluta já que algumas pessoas são capazes de ceder mais que as outras. Afinal, a gente sempre espera que em breve a pessoa esteja ao nosso lado. Se sobreviverem, poderão curtir cada minuto perdido. Até lá, que tal apenas baterem longos papos?  Ás vezes dá certo.


28 de out de 2011

Tô Preguiça Mesmo

Simon Gerzina Photography

Tem dias que a gente já acorda cansada, olha para o mundo e vê que tudo está do lado avesso. Nestes dias, indignação é o seu sobrenome.

Tem dias que a gente fala sem filtro, sem volume e desordenadamente. Tem dias que a gente não quer falar e tem preguiça de pensar.

Tem dias que você quer simplesmente não ter que decidir o que vai comer. Nessas horas, tudo o que precisamos é de um pouco de silêncio. Silêncio interior. Estabilizar o cotidiano. Remover o que sobra.

Depois tudo isso passa e você olha pra trás e se pergunta quem era aquela louca na qual você se transformou nos últimos dias. E tem a impressão que será assim pra sempre!

Portanto amigas, para esses intermináveis dias, fica a dia: absorvente, sorvete e muito eu disse muito carinho. Já já vai passar.