24 de jul de 2007

.:. Cadê meu nariz de palhaço? .:.

Um programa de TV lançou um quadro grotesco – não diferente do resto do programa - onde utensílios são jogados em um liquidificador na brilhante intenção de testar se o eletrodoméstico vai conseguir picar ou não o objeto. O que me chamou a atenção foi que uma das “cobaias” era um modelo de aparelho celular que não custa tão barato assim e que foi totalmente destruído nessa brincadeira.

Fiquei pensando em como a tecnologia realmente fica ultrapassada em tão pouco tempo e, por isso, os aparelhos celulares parecem tão obsoletos. Há um tempo, telefones móveis eram artigos de luxo e só invejáveis empresários tinham chiquérrimos “Star Taks”; hoje em dia, são literalmente triturados sem dó nem piedade já que a reposição é quase imediata.

O barateamento dos aparelhos em virtude dessa dinamicidade decorrente da evolução tecnológica me assusta na mesma proporção em que me alegra pelo progresso que ela produz. A acessibilidade aos telefones móveis nos oferece mais uma alternativa de comunicação; não ficamos necessariamente presos ao telefone fixo e à hegemonia das operadoras que oferecem esses serviços.

Não satisfeitas, as concessionárias estão em cima do prazo para a mudança do tradicional modo de cobrança por pulso, para o plano de minutos na telefonia fixa. E mais uma vez o consumidor terá que se virar para se adequar ao novo sistema. Dizem por aí que assim não terá mais assinatura, porém, se o consumidor não conhecer seu perfil de consumo antes de escolher qual plano mudar, ele será encaixado automaticamente em um básico equivalente a Deus sabe quanto. Bom, sendo irônica, poderia ser isso um tipo de assinatura?

Aquele quadro do programa de TV, mesmo na sua forma bizarra, me abriu os olhos para meu lindo aparelho celular e a segurança do cartão pré – pago ou das contas com controle de uso. Alivia-me saber que tenho as rédeas de pagar sobre o quanto falo, mesmo que minhas rédeas sejam longas. E provavelmente, o dono daquele celular triturado vai chorar um bocado se com ele no liquidificador, se foi também o chip, ou seja, a sua linha e todos os seus dados. Do contrário, tudo bem, hoje em dia as operadoras estão até dando aparelhos e arranjar outro é mole. Bizarrice triturar um celular? Grotesco é pagar pelo que não usou. Durma com um barulho desses!

2 comentários:

João Barros disse...

Gata, quanta bizarrice....quê issu!!

Lúcia disse...

Também acho! Muita bizarrice nesse mundo, né? hahahahahaha
Beijos, Gato... Nen... sei lá... qualquer bizarrice dessas.rs

Postar um comentário